Uma vida desenhando e pintando – Pt. 2

Oi, tudo bem com você? Espero que sim! :)

Na última semana, publiquei a 1ª parte dessa minha retrospectiva, contando sobre minha relação com desenho e pintura na infância e adolescência. Se você ainda não viu, pode dar uma passadinha lá pra conhecer essa história desde o começo! ;)

No post de hoje conto sobre minha relação com desenho, pintura e ilustração desde a época da faculdade, passando por 2 anos sem desenhar </3 e até hoje. Bora? :)


Na faculdade: Estudando desenho e pintura e fazendo ilustrações

alegrias_retrospectiva_1
Desenhos de observação do meu 1º semestre na FAU (2004).
alegrias_retrospectiva_4
Croquis arquitetônicos de observação.

Quando terminei o ensino médio e tive que escolher um curso universitário, pensei em várias opções (até filosofia passou pela minha cabeça XD). Por eu gostar de desenhar e fazer coisas criativas, uma das alternativas de que pensei na época foi cursar artes visuais. Aos 18 anos, porém, eu não achava que era possível viver de arte… (Sad but true T_T). Também não queria ser professora, então acabei optando pelo curso de arquitetura (o outro curso que tinha relação com desenho que eu conhecia).

alegrias_retrospectiva_7
Experimentos com tinta para parede tingida com xadrez liquido.

Consegui ingressar na faculdade no meu 2º vestibular, então, em setembro de 2004, iniciei a faculdade (pois nesse ano teve greve). Além das matérias técnicas, de história e de projeto, tínhamos várias aulas que faziam parte da cadeia de desenho e representação. Duas matérias da grade do meu primeiro semestre me marcaram muito: Desenho e Plástica I e Geometria Construtiva.

A primeira era uma mais experimental e veio como que dar continuidade ao que eu vinha apendendo e experimentando desde as minhas aulas de desenho e pintura da adolescência. Nessas aulas fazíamos uma diversidade de exercícios e experimentos de desenho e pintura.

A segunda trouxe uma visão nova para mim, me apresentando os fundamentos da Gestallt! Nessa matéria fazíamos  trabalhos em 2 e 3 dimensões, cujo objetivo era basicamente sintetizar formas da natureza (não achei nenhum trabalho pra mostrar… :/ mas eram umas composições geométricas legais).

alegrias_retrospectiva_5
Experiências com pastel seco.
alegrias_retrospectiva_6
Experiências com pastel oleoso. Releitura de Schiele (fundo preto), autorretrato e retrato de meu pai.
alegrias_retrospectiva_2
Das minhas 1ªs experiências com aquarela… A da esq. é um dos meus trabalhos que mais gosto até hoje. :)

Em casa, também ia fazendo meus experimentos com materiais diversos, como pastéis secos e oleosos, papéis e aquarela. Além disso, as vezes arriscava fazer alguma edição dos meus trabalhos no computador.

alegrias_retrospectiva_8
Trabalhos com tinta acrílica. O 1º fiz para aula de FLV que fiz nas artes visuais (se não me engano foi em 2006).
alegrias_retrospectiva_3
Desenhos do meu caderno de Desenho 1 (2011).

Uma coisa bacana de estudar em uma universidade pública foi que, ao longo do curso de arquitetura, também tive a oportunidade de fazer várias matérias em outros departamentos. :) Na faculdade de artes visuais, fiz as matérias de Fundamentos da Linguagem Visual, Introdução a Fotografia e Desenho I (desenho de observação com modelo nu – um exercício ótimo! – Recomendo!).

alegrias_retrospectiva_9
Ilustração que fiz para um trabalho acadêmico de uma amiga (ela tinha que criar uma revista) e um dos meus 1ºs trabalhos remunerados de ilustração. :)

Na época da faculdade foi também quando fiz minhas artes por encomenda pela 1ª vez. Uma grande amiga minha do colégio estudava jornalismo e acabei ficando amiga de um pessoal da faculdade de comunicação. Eles tinham algumas matérias onde tinham que criar revistas e jornais e algumas vezes pude ilustrar as matérias que eles faziam. :)

Essa experiência foi bacana, pois comecei a aprender a lidar com ‘clientes’. As vezes o resultado do trabalho não era satisfatório (lidar com clientes, especialmente quando você não tem experiência, pode ser bem complicado), mas (até por isso) acabou gerando um aprendizado muito importante pra mim e que utilizo até hoje.

Outra coisa boa, resultante de eu ter feito esses trabalhos para amigos, foi que, um dos meus 1ºs trabalhos remunerados de ilustração (para uma pequena revista da universidade), fiz a convite de uma das amigas para quem eu sempre fazia ilustrações ‘de favor’ quando ela era estudante. :)

Formei e agora? (Ou: Uma lacuna de 2 anos)

Depois de me formar em arquitetura, comecei a estudar artes visuais. Porém, ao fim de um semestre, me mudei de cidade e não consegui dar continuidade no curso… </3

Na nova cidade, logo consegui meu 1º trabalho mais ~~de gente grande~~ numa construtora! Lá eu exercia uma função um tanto burocrática e, com trabalho puxado e tendo que me adaptar a uma nova cidade e a uma nova rotina cansativa, me vi soterrada pela vida adulta! Acabei deixando algo ~~menos importante~~ como desenho de lado. Passei cerca de 2 anos (bem tristes, em termos criativos) praticamente sem desenhar. :/ </3

No início de 2014, não conseguia mais encontrar sentido no meu emprego e dei um chute no patrão acabei pedindo demissão. :) Depois de alguns meses um tanto perdida e sem saber o que fazer, comecei a refletir sobre a minha vida até então e a pensar como incluir mais felicidade nela!!!

Achei que seria importante voltar a desenhar e que (talvez) talvez fosse uma opção profissional pra mim. :)))

Coming back to life (Ou: voltando a desenhar) :)

alegrias_retrospectiva_10
Desenhos de 2014, 2015 e 2016.

Desde que eu comecei a pensar que tinha que voltar a desenhar (de qualquer jeito) e que poderia trabalhar com desenho, voltei a praticar (e sim, no começo estava muito enferrujada e até travada!) e a buscar alternativas de como fazer isso de um jeito que fosse sustentável emocionalmente (= me deixasse feliz) e financeiramente (porque também preciso me sustentar, né?).

Estou nessa busca ainda, mas atualmente sinto que as coisas estão mais claras na minha cabeça e caminhando na direção que eu quero. :)))

Com relação a esses últimos anos, você pode ver muito do que eu evoluí e destravei aqui no blog e, principalmente, no meu instagram (lá tem alguns dos meus 1ºs desenhos de quando voltei a desenhar). Nesse período também fiz alguns cursos que me ajudaram a me aperfeiçoar artisticamente e a clarear minha mente quanto aos caminhos que poderia seguir e concluí alguns sketchbooks.

Embora eu tenha desenhado e pintado por boa parte da minha vida, levei muito tempo para me tornar disciplinada nessas atividades (na verdade, como você viu, tive que ficar anos sem fazer nada disso e quase morrer cinzenta e ressecada para entender o quanto isso era importante para mim…). Hoje é a 1ª vez que sinto que estou desenvolvendo um estilo próprio e consistente.

Agora, felizmente, desenhar e pintar são atividades que fazem parte da minha rotina (de estudo, trabalho e lazer). :) <3 Isso, somado a um certo amadurecimento pessoal (fruto do tempo, de todas as experiências que eu passei e de uma busca de autoconhecimento na qual venho me empenhando nos últimos anos) tem me ajudado a perceber um desenvolvimento mais consistente no meu trabalho.

Eu penso que a ‘evolução’ do nosso trabalho é parte  dele e que vem junto com a dedicação de esforço, reflexão e tempo. Acredito e espero que com no futuro venham novas fases, que sejam ainda mais legais e que me ajudem a me tornar uma pessoa cada dia mais plena!

Uma coisa que quero, para um futuro não tão distante, por exemplo, é aprender a lidar com tinta acrílica e a criar trabalhos maiores. Mas estou feliz e sou grata pelo meu momento criativo e por simplesmente ter voltado a desenhar e pintar. É algo que me nutre, além de ser uma forma que acredito conseguir contribuir positivamente no mundo. Também estou realizando meu sonho de adolescência de fazer coisas bonitas. :)


Espero que você tenha gostado de conhecer mais sobre a minha vida e meu trabalho!

Como ilustrar nem sempre foi o meu foco, foi um pouco difícil para mim organizar essa linha do tempo – em termos práticos e emocionais também… Confesso que lembrar de alguns ‘descaminhos’ e expô-los aqui foi difícil. Também fiquei me sentindo um pouco louca com todas essas fases, mas tentei mostrar bastante e ser bem sincera… No fim fiquei satisfeita com o que escrevi e também achei importante refletir um pouco mais sobre meu trabalho até aqui (percebi alguns padrões que não tinha notado ainda). Espero que possa te motivar a desenhar (se for algo que você queira) e a correr atrás de fazer mais coisas que te deixem feliz.

Um grande beijo!

Lila

Veja também:

  • Cris Morais

    Que motivador, Lili 💜

  • Que bom que curtiu, Cris! Obrigada pela visita! ;) <3 :*

  • Lila, que coisa linda acompanhar a tua trajetória e o respeito que tens pela tua arte. Acho isso fundamental para quem quer seguir a profissão. Não basta saber desenhar, tem que ter paixão e ser um constante aprendiz, fico emocionada (de verdade!) quando vejo isso em alguém. Parabéns e que venham muitas conquistas!
    Beijos :*

  • Que bom que gostou, Lidy! Emocionada fiquei eu com esse seu comentário tão querido!!! Muito, muito, muito obrigada mesmo!!! <3 E vamos que vamos nessa jornada! ;)

  • Muito bom conhecer um pouco mais sobre ti, Lili! <3 Eu já pensei em fazer arquitetura também, pelo mesmo motivo que tu (viver de artes visuais é complicado, principalmente para que não quer ser professor), mas só não fiz pela matemática! Por que eu adorava desenhar casas e, principalmente, o interior delas. Eu gostava de montar a minha casa dos sonhos, com sacada e de frente para um lago (como todo mundo, né?!) hahah Concordo com a Lidy, ter paixão pelo que faz é essencial para que façamos um bom trabalho. Fazer o que gosta e gostar do que faz. <3

  • Você percorreu um longo caminho! Parabéns pela força de vontade, vou me espelhar *-*

  • Obrigada, Bruna! Quase 30 anos desenhando é um bom tempo, né? Gostaria de ter tido mais força de vontade em alguns momentos… Mas o passado é o que é… Vamos que vamos! :)

  • Oi, Bia! Você que me inspirou a fazer esses posts. <3 Nem falei ali em cima, mas eu tb gostava mto de fazer casinha pras minhas Barbies e olhar revista de decoração… E a minha mãe queria ter sido arquiteta e meu pai engenheiro… Então foram várias coisas que influenciaram na minha escolha de fazer arquitetura… na real eu curto muitas coisas em arquitetura… não me arrependo. Mas prum arquiteto desenhar pode ser uma coisa ínfima… e é algo que eu sinto necessidade ainda mais depois dos caminhos pouco criativos e burocráticos que EU fui escolhendo… acho que eu realmente tinha tanto medo de passar fome que fui sempre nas escolhas que me pareciam mais 'seguras'… mas que as vezes não eram escolhas que não me traziam muita felicidade. Tb na época não sabia que existia design gráfico… talvez pudesse ter sido uma opção – e é algo q eu ainda gostaria de estudar! Ps. Me ferrava muito nas aulas de estrutura e materiais pq tinha matemática física e química… minhas piores matérias. XD

  • <3

  • Thatyane Mendonça

    Lindo ver seu crescimento como artista, apesar de você fazer trabalhos lindos há muito tempo, acho que o artista só fica satisfeito (se é que isso é possível) quando encontra realmente sua identidade, e isso seu trabalho hoje tem de sobra. Parabéns <3

  • Obrigada, Thaty!!! Acredito que é possível ficar satisfeito (eu fico, por perceber que estou me desenvolvendo e pelas pequenas conquistas… ainda mais depois de ficar anos sem desenhar) mas sinto que ainda estou encontrando minha identidade (talvez seja um processo eterno?). E vc? Como se sente quanto a essas coisas? Besos!

  • <3

  • Thatyane Mendonça

    Também fiquei anos sem desenhar e quando voltei há pouco mais de 3 anos, eu não imaginava a proporção que isso tomaria na minha vida. Hoje sou feliz com a evolução que consegui e por ter me encontrado na ilustração. Falo que nunca estarmos satisfeitos pq sempre tem um milhão de coisas a aprender e aprimorar, acho que ilustradores e artistas de um modo geral vão sempre ser estudantes, então sempre teremos uma inquietação de querer ir além. bjsss <3

  • Q legal! Não sabia q vc tb tinha ficado sem desenhar…! :) Realmente a gente vai se desenvolvendo aos poucos e as coisas vão tomando uma proporção que a gte nem imaginava. E sempre tem mto o q aprender… Tb me sinto assim. A gte é engraçado… ao mesmo tempo que me surpreendo com o rumo das coisas, muitas vezes fico impaciente querendo que as coisas evoluam mais rápido. Alok. :p :) :*