Valeu, ano velho! Olar, ano novo!

Olar! :)

***

Sou dessas que gosta de curtir uma nostalgia… olhar pro passado e lembrar as coisas boas, ver fotos antigas, fazer (e reler) caderno da gratidão, etc. XD  No fim do ano de 2015, fiz um post de retrospectiva e foi algo que fiquei feliz de fazer. Como a minha memória falha, vim aqui falar que tinha me arrependido de não ter feito algo assim pra 2016… Mas relendo esse último post – que foi o único de 2017 (e que saiu em março) descobri que tinha contado um bocado sobre o que estava acontecendo até então e meio que foi minha retrospectiva do ano anterior. XD

Não tão cedo… mas também não tão atrasada como sobre 2016 (de acordo com o calendário gregoriano), cá estou pra lembrar um pouco do ano que passou.

Como eu tinha falado no post passado, comecei 2017 me sentindo especialmente estranha e que o ano não estava engatando. Embora 2016 tenha sido um ano de muitas alegrias e conquistas, estava me sentindo triste, desmotivada e perdida. Eu tinha estabelecido metas no início do ano… mas acho que esqueci de torná-las mais curtas e palpáveis… e isso me deixou mais ansiosa e angustiada que me ajudou. Então fez muita diferença estabelecer novas metas… mesmo que “atrasada” (entre aspas porque “não existe estar atrasado” e porque, pelo calendário da astrologia – isso descobri recentemente – o ano começa em março). Essas metas foram mais curtas e “simples” e acho que vingaram melhor.

2016 foi um ano no qual eu praticamente só trabalhei. Em 2017, acho que eu consegui cuidar também de outras áreas da minha vida e isso foi bom. Vivi com um pouco mais de equilíbrio… e quero continuar evoluindo nessa busca em 2018.

Algumas coisas marcaram meu 2017 e vou escrever em formato de lista pra (tentar XD) facilitar meu raciocínio:

  • Criei coisas novas, mas menos do que gostaria. Tive dificuldade de conciliar trabalhos pessoais com demandas mais comerciais (trabalhar com o que se gosta pode ter efeitos colaterais inesperados). Tentei fazer 2 desafios criativos – até pra me estimular… (o que sempre tinha funcionado muito bem pra mim) – mas eles ficaram pela metade por diferentes motivos. XD Em setembro tentei estabelecer (e trabalhei pra cumprir) uma rotina mais criativa, mas saí dela na correria de fim de ano. (Tudo bem! Esse ano continuo. :)) Além disso, senti que as coisas que criei tiveram menos concisão/coerência do que em 2016. Não sei se isso é exatamente ruim, mas senti falta de ter algo mais como uma “coleção” (algo que penso mudar esse ano);
  • Não consegui escrever no blog. No início estava sem vontade, depois não consegui priorizar isso. Esse ano, espero escrever mais de 1 post. #metaspossiveis XDDD

  • Mesmo assim, me senti mais feliz com a minha existência artística. Me permiti experimentar coisas diferentes, me limitando menos pelo ‘preconceito’ da minha marca… Sinto que criar uma marca me ajudou no sentido de ter um conceito bacana para nortear o meu trabalho. Por outro lado, acho que, por um tempo, eu me “identifiquei” com a minha marca e isso me travou. 2017 foi bacana, pois acho que consegui me “desindentificar”… ou seja: desvincular a minha pessoa da minha marca (ainda que a minha marca englobe uma parte de mim… eu não sou ela e vice versa). Algo que penso agora é que a minha marca é um lado mais comercial do meu trabalho artístico… e que tanto eu como pessoa, como eu como artista, não preciso me limitar a isso. A minha marca é só uma faceta do meu trabalho e (claro) da minha existência. Falando assim, talvez pareça doideira se preocupar com isso ou algo muito obvio… mas realmente foi um processo chegar nessa percepção… E das coisas mais importantes que aconteceram pra mim em 2017… sendo um avanço pra mim como pessoa e com relação ao meu trabalho/marca.

  • Ainda sobre o valor de experimentar coisas novas, uma das coisas que mais gostei de fazer foi meu 1º zine, Ruptura, fruto de uma oficina que participei . Foi algo novo e muito diferente de qualquer coisa que eu já tinha feito. O foco dele foi a escrita (e não a ilustração) e o tema dele também foi diferente do que eu vinha trabalhando… relacionado a experiências tristes… Acredito que seja um trabalho menos comercial… ainda que tenha resultado num “produto”… mas sinto que consegui me expressar e curti muito o processo todo.
  • Também fiquei mais contente com a minha presença no mundo virtual: Não me forcei a postar coisas ou enviar newsletters sem vontade e sinto que consegui me mostrar mais profundamente e de forma mais autentica. (Acho engraçado porque isso meio que não parece coerente com o que falei nos itens anteriores… mas no fim das contas, senti que isso aconteceu). Isso trouxe mais leveza pra esse aspecto da minha vida. O instagram foi minha principal rede social e mostrei por lá processos (e alguns textos) que antigamente mostraria por aqui. (Talvez por ter curtido estar nessa rede social e por estar me sentindo mais leve, agora tenho tido vontade de voltar a atualizar o blog mais vezes.)

Feliz em compartilhar com vocês o resultado da minha última encomenda! 🙌🙏 Essa Deusa foi uma cocriação com a Anaisa, cliente querida que me mandou um esboço da ideia, desenhado por ela numa vivência, pra eu recriar no meu traço! Apesar do processo não muito comum (pelo menos com relação a maioria das minhas encomendas), curti muito a ideia cheia de símbolos (que, confesso, acho q nunca sairia da minha cabeça se eu tivesse q pensar sozinha) e o resultado que é pura sinergia (uma das minhas coisas favoritas do mundo, sabiam?).🔽🌎💪💪💪 // No primeiro semestre peguei poucas encomendas pois estava repensando minha dinâmica de vida e trabalho… Agora no segundo semestre quero fazer mais, então quem estiver precisando de ilustração ou só querendo mesmo um desenho e se identifica com meu trabalho pra essa ideia, fale comigo! 😊💛 #encomendascomalegria #alegriasilustradas #ilustração #desenho #encomenda #aquarela #lápisdecor #deusa #feminino #sagradofeminino #whoruntheworld #gratidão

A post shared by By @lila.oliveira e @belcpo 🐱 (@alegriasilustradas) on

  •  Trabalhei em algumas encomendas: Em 2017, o foco do meu trabalho não foram as encomendas. Porém, gostei muito das que fiz e tive a alegria de trabalhar com clientes muito bacanas e queridinhos com propostas muito interessantes.
  • Participei de uma feira de afro-empreendedores: A convite da minha amiga Verônica, da marca Mina Nagô. Foi muito lindo e interessante enxergar a mim e ao meu trabalho dessa forma (nunca tinha passado pela minha cabeça que eu era afro-empreendedora e meu trabalho afro). Me suscitou muitas reflexões tanto pessoais, quanto de trabalho… que acredito que estão (e vão continuar) contribuindo pra ele.  
  • Participei de um evento chamado Entre Portas e Janelas: Esse evento, promovido pela Verde Manga foi muito legal. Além de vender meus produtos no espaço mais incrível da vida, pude falar do meu trabalho numa conversa que chamei de “Entre vida e Cadernos”! *_* Foi uma experiência nova e muito interessante e fiquei orgulhosa de dar mais um passo pra vencer a minha timidez (ainda que a maioria das presentes já fossem amigas queridas – obrigada pela força, meninas!!!).
  • Graças a isso, também tive a oportunidade de falar do meu trabalho na FAU-UnB. Essa foi a faculdade na qual estudei! E minha fala/conversa foi na aula de Desenho e Plástica (uma das minhas favoritas), a convite de um professor muito legal (que foi meu), o Reinaldo Guedes Machado. :) (Como não ficar feliz com uma coisa dessa?)

  • Continuei vendendo meu trabalho na loja virtual, em lojas colaborativas e em feiras! A loja virtual ficou um pouco de lado e, inclusive, está bem desatualizada, algo que penso melhorar esse ano. Já com relação às lojas físicas, foram minha prioridade, então me dediquei muito a elas. Terminei o ano em 5 colaborativas, duas da minha amada parceira, Nós – Mercado Criativo, e três da mui divertida (e também querida, claro), Endossa. Como no ano anterior, foi uma experiência massa e que permitiu meu negócio crescer um bocado. <3 Pra não dizer que tudo são flores, vender em lojas me demandou de uma forma que acredito ainda precisar aperfeiçoar (pra ser mais leve e feliz)… Então ainda não sei se continuarei em tantas (ou mais) lojas ou que solução encontrarei pra tornar essas parcerias mais sustentáveis… artística, física e emocionalmente. :) Quanto a vender em feiras, participei de várias! E foi (é) um dos momentos favoritos no meu trabalho(!!!). *_* Acho o feedback e sinergia sensacionais e me sinto muito bem e energizada quando tenho esse contato próximo as pessoas (clientes queridos e outros feirantes… que muitas vezes se tornam amigos). <3 <3 <3

Sabe, a despeito da minha inconsistência nesse desafio (quero melhorar), eu tenho pensado muito em sentimentos. Fico um pouco doida tentando diferenciar um sentimento do outro e tentando entender o que é sentimento e o que é sensação (q nem um dia que estava me sentindo horrivelmente triste, vomitei e passou). Do coração pra cabeça parece tudo tão emaranhado… Saudade uma vez é um nó na garganta, outra, uma lembranças de desenhos da infância, outra, cartas de uma amiga que tá longe… Amor as vezes é meu namorado, depois família.. ou amigos ou um gato… ou mesmo uma caixa de presente ou uma porta aberta. Daí é difícil definir qual a forma de cada um. Talvez eles sejam daqueles seres que a cada momento são uma coisa e, no fim, o emaranhado deve ter uma ponta escondida em algum lugar. (Dia 11) #30sentimentos30dias #30ideias30dias #alegriasilustradas #alegriasporescrito #desafiocriativo #processocriativo #sentimentos

A post shared by By @lila.oliveira e @belcpo 🐱 (@alegriasilustradas) on

Já num aspecto (ainda) mais pessoal queria registrar os seguintes itens:

  • Comecei a fazer terapia e isso tem sido massa de várias formas: Fazer terapia tem me ajudando a me observar mais… a me conhecer um pouco melhor e a ter um pouco mais de clareza de pensamentos/sentimentos. Com certeza me ajudou a sair daquela estranheza do início do ano e também foi bom ter uma coisa rotineira (e não relacionada a trabalho) pra me forçar a sair de casa (já que eu trabalho principalmente em casa e andava muito presa dentro dela em 2016). A terapia também foi algo muito importante por me ajudar a lidar melhor com o luto… em especial, porque a morte de pessoas dos meus círculos familiares e de amizade calhou de ser uma experiência um pouco mais recorrente no último ano.
  • Comecei a fazer academia (pra deixar de ser sedentária) e depois de menos de 1 mês eu fiz um exercício que me machucou (ou evidenciou um problema que eu já tinha… não sei ao certo). Comecei a sentir uma dor estranha (e forte) na lombar que não passava (e estava me deixando travada) e depois de ir ao médico ortopedista e fazer exames, descobri que tenho um desgaste na coluna (é algo que se não cuidar, pode virar uma hérnia de disco).
  • Devido a isso, tive que fazer muitas compressas, fisioterapia, acupuntura… (que, inclusive, foi uma das coisas que mais gostei de conhecer e fazer durante o ano <3). Fiz também RPG, além de alongamentos diários pra me recuperar (melhorei muito, graças a Deus, mas ainda tenho dores mais leves que oscilam)… também tive que mudar minha rotina para não trabalhar tanto e tanto tempo seguido (melhorei um bocado mas ainda tenho que melhorar mais nesse aspecto… ainda mais após o fim de ano que foi mais tenso XD). Agora estou fazendo pilates pra alongar e fortalecer.
  • Tive vida social: Acho que consegui reestabelecer/fortalecer laços com meus familiares e amigos antigos que tinham sido deixados muito de escanteio em 2016… E, algo que me surpreendeu, também fiz muitos amigos novos!!! <3 <3 <3 Trabalhar sempre foi um foco muito grande na minha vida (#capricafeelings) e trabalhar em casa foi algo que me deixou muito isolada em 2016… Mas acho que em 2017 consegui focar mais nisso (deliberadamente) e fiz muitos progressos! Estou orgulhosa de mim mesma e em 2018, pretendo continuar melhorando! XD
  • Conheci duas artistas que amei muito (e achei que seria legal registrar por aqui): Amanda Palmer, musicista e autora do livro A Arte de Pedir e Letícia Novaes, multi-artista, responsável pela criação do MELHOR DISCO DO ANO, Letrux em Noite de Climão. Recomendo!

Ainda com relação a 2017, gostaria de registrar por aqui meu agradecimento! Gratidão por todas as experiências! Entre erros e acertos, vamos aprendendo e nos desenvolvendo! Gratidão também por todas as pessoas: minha família, amigos, clientes! A companhia e apoio de todos é sempre muito valiosa!

Quanto a 2018, pretendo continuar experimentando coisas novas como artista, buscando ser mais organizada e disciplinada, cuidando da minha saúde física e mental e cultivando meus relacionamentos!

Esse ano fiz metas gerais pro ano e mais específicas, por hora, só pro mês de janeiro! Um passo de cada vez!!! Acho que vai dar tudo certo! Espero que pra você, pessoa leitora, também!

***

Bora prosear? Manda notícia de como tá sendo essa coisa de ano velho/novo pra você! Se tiver alguma sugestão de tema de ilustração pra eu trabalhar ou pra gente conversar aqui ou no insta, me conta também!

Beijos e até breve!

Lila

***

Na imagem no início do post tem: Caderno Pontilhado por Sencilles, que será meu bullet journal… pelo menos por alguns meses; Adesivos de cristais por Laís Pedrita; Adesivo Belive in yourself pela minha irmã Bell; Cartão por Um poema por dia; Frase de ano novo por Polly Sjobon; Minha última pintura de 2017 num papel de aquarela que é cartão postal (marca: Hahnemüle). Ganhei de natal da minha irmã. <3

Veja também:

  • Estou adorando acompanhar esse retorno ao mundo blogueiro de várias ilustradoras que acompanho :) Feliz 2018, Lila! Que venha cheio de arte e realização dos teus planos :*

  • Obrigada, Lidy! Espero conseguir escrever mais esse ano! (Escrever esse texto foi um parto… tão destreinada que estava) XD Tudo de bom pra você! :****